Menu

HISTÓRIA

“Aos seis dias de mil novecentos e cinqüenta e nove, com a presença de associados conformeo livro de presentes, na séde da Associação Comercial, com início ás 21 horas, foi instalada a Assembléia pelo Dr .Raimundo Rezende” – Nasce daí o Aeté Clube.”

A visão Visionário é aquele que possuí a rara habilidade de enxergar não apenas o presente, mas é capaz de prever tendências e de antecipar mudanças, em vez de ser simplesmente engolido por elas.
Nessa perspectiva, um grupo se une ao avistar grande potencial em uma região que, apenas engatinha rumo ao desenvolvimento. Assim, nasce aos seis dias de março de1959, o Aeté Clube. Raimundo Rezende se junta a alguns amigos e em uma reunião na Associação Comercial de Governador Valadares, assina a primeira ata para consolidar e fundação do Aeté. É constituída a primeira diretoria.

 

Mãos à obra Agora é preciso comprar o terreno. O escolhido é o de uma antiga chácara produtora de cachaça, com cinco mil hectares, no bairro Vila Isa. Raimundo Rezende é o intermediador das negociações com Maria Delfi na da Cruz, dona do terreno herdado após a morte do marido.

Com a compra do espaço começa a construção. Sempre acompanhada de perto por Seleme Hilel, que todos os dias comparece ao local para avaliar o andamento dos trabalhos.

O Nome O sonho está cada vez mais perto da realidade. Agora é preciso escolher o nome. Que seja forte e simples o bastante para dizer tudo. Simplifique o que uma dúzia de palavras não consegue descrever. Seja direto. Seja eterno, lembrado. A solução: buscar no Tupi-guarani, língua extinta, originária do povo tupinambá e estudada pelos jesuítas, um nome que exprimisse todo aquele sentimento. Aeté “Tudo de bom”. Não precisa dizer mais nada.